Tudo que você Precisa Saber sobre Economia Criativa

No decorrer dos últimos 20 anos foram criadas plataformas, serviços e produtos que unem o lucro à criatividade. Essas palavras, que antes pareciam tão distantes e antônimas, acabaram se mostrando uma ótima combinação. Entenda agora esse conceito e seus principais exemplos. Boa leitura!
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
economia-criativa

Segundo a Firjan, apenas em 2015 a economia gerou uma riqueza de mais de R$ 155 bilhões para a economia brasileira. Isso demonstra que, através da economia criativa, é possível gerar lucros a partir de ações criativas, culturais e intelectuais.

Assim, é possível se constatar que a economia criativa é movida a ideias.

O que é Economia Criativa?

Surgido em 2001 na Austrália, essa modalidade da economia surgiu quando o governo decidiu apoiar 13 setores que eram capazes de gerar renda com base no capital intelectual e a criatividade.

A ideia se espalhou pelo mundo e até ganhou apoio da ONU, sendo considerada uma força de mudança e transformação e também uma grande fonte de lucro para os países.

Os setores que fazem essa economia girar podem ser divididos em quatro grandes campos, sendo eles:

Consumo: Design, Arquitetura, Moda e Publicidade;

Mídias: Editorial e Audiovisual;

Cultura: Patrimônio e Artes, Música, Artes Cênicas e Expressões Culturais;

Tecnologia: Pesquisa e Desenvolvimento, Biotecnologia e Tecnologias da Informação e Comunicação.

Dessa forma, qualquer empresa que se origine em uma dessas áreas, atuando individualmente ou em coletivo e gera renda e empregos, está atuando nessa modalidade econômica tão atraente.

Principais Exemplos de Economia Criativa

Agora, que já sabemos onde surgiu e o que é a economia criativa, vamos dar uma olhada em quais são seus principais exemplos.

Catarse

A empresa nasceu em 2011, e tem como finalidade fazer com que, através do financiamento coletivo, as pessoas tirem seus projetos do papel.

É o maior crowfunfing do país, e atende desde artistas até jornalistas. O lucro vem da taxa de comissão cobrada por cada projeto inscrito no site, e os doadores recebem brindes e incentivos

Think Eva

O objetivo dessa empresa é ajudar empresas a trabalharem melhor a representatividade feminina na publicidade e adotar discursos mais respeitosos nesse quesito.

Utilizam mapeamento de categoria, pesquisas de mercado e testes de campanha para avaliar os conteúdos e prestarem uma consultoria mais acertiva.

ProjectHub

Sendo dentre esses, o exemplo mais conhecido de economia criativa no Brasil, a ProjectHub é uma rede social responsável por conectar empreendedores, marcas e investidores de maneira colaborativa.

Aqui, o empreendedor que tem uma ideia com propósito de mudar a vida da pessoa, busca por alguém interessado em apoiar seu projeto, sem nenhum impecilho.

Vote na Web

A proposta aqui é fazer com que as pessoas, o eleitorado, fiquem mais próximas do parlamento e suas decisões, sabendo dos projetos que serão votados na câmara e tendo a chance de dar suas opiniões, apoiando ou fazendo com que revoguem algum PL.

A economia criativa mostra um leque de possibilidades, uma nova forma de enxergar o mercado e é capaz de trazer muita mudança, mesmo em negócios conservadores como a política e indústrias.

É uma ideia na qual com certeza vale a pena se pensar e saber mais, e também vale investir e fazer a sua parte para mudar o mundo. E aí, você está pronto para a mudança?

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Aproveite e veja também

Aumente as vendas da sua empresa por meio da internet

Construímos sites de alta performance para alavancar empresas no meio digital